Mitos e Verdades Sobre o Câncer de Mama

Mesmo com tanta informação, o Outubro Rosa nos mostra que sobram dúvidas sobre essa doença e, em especial, sobre as formas de prevenção e de detecção precoce da doença.
Por isso, trouxe algumas informações básicas e relevantes:
A menstruação precoce indica apenas que o corpo já está produzindo bastante estrogênio e progesterona – os hormônios femininos, porém o que determina o surgimento de câncer de mama é a produção e cópia de células anormais, que podem ser aumentadas quando estes hormônios estão em concentrações mais altas.
O Inca recomenda a mamografia como medida preventiva contra o câncer de mama, para a população geral só a partir dos 50 anos. No entanto, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) indicam a mamografia a partir dos 40 anos. Se você está nesta faixa de idade, é importante que realize o exame, além do auto exame.
O câncer de mama hereditário corresponde a menos de 5% dos casos. Ou seja, a maioria dos episódios não carrega um forte componente familiar. No entanto, quem possui histórico familiar de câncer de mama ou de outro tipo deve conversar com um ginecologista ou mastologista para uma orientação individualizada e exames que descartem a possibilidade de fator genético e desenvolvimento da doença.
É possível fazer o exame e diagnosticar o câncer de mama, mesmo em mulheres comprove-se mamária, porém em alguns casos, pode haver a necessidade de exames complementares, como ultrassonografia ou ressonância.
O auto exame consiste em “Palpar os próprios seios” em busca de nódulos e é uma medida importante a ser realizada uma vez por mês. Porém, o autoexame detecta massas já palpáveis, geralmente associadas a um câncer de mama mais avançado, por isso, não substitui A mamografia, que pode diagnosticar nódulos pequenos, quando é mais provável que a doença não tenha se espalhado.
Fique atenta, se observe e converse sempre com o seu médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *